Justiça vê fraude e aborta plano para a reestruturação da Alimentos Nilza

O advogado e empresário Sérgio Alambert, que fez proposta para compra da Indústria de Alimentos Nilza por meio de sua empresa Airex, rebateu as acusações do juiz Héber Mendes Batista, de Ribeirão Preto (SP), que decretou a falência da Nilza. A empresa estava em recuperação judicial, e o plano de reestruturação aprovado pelos credores, em novembro passado, previa a venda da Nilza para a Airex.

Ao decretar a falência do laticínio, na terça-feira, o juiz da 4ª Vara Cível de Ribeirão Preto, alegou fraude no processo de recuperação judicial e na negociação com a Airex. Segundo o jornal "A Cidade", de Ribeirão, escutas telefônicas do Ministério Público apontaram fraude no processo.

O juiz questionou a origem dos R$ 5,2 milhões depositados pela Airex, após a aprovação do plano de recuperação, para pagamento de credores trabalhistas. Alambert disse que tem como comprovar a origem dos recursos e que vai entrar com uma petição na Justiça para fazê-lo.

A reportagem não conseguiu falar com o juiz Héber Mendes Batista, pois os fóruns paulistas fecharam ontem a partir das 13 horas em luto pela morte do presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo Antonio Carlos Viana Santos.

A advogada Sílvia de Luca, que representa o controlador da Nilza, Adhemar de Barros Neto, não quis comentar a decisão sobre a falência alegando ainda não ter tido acesso ao "inteiro teor da sentença".

Sérgio Alambert também refutou a acusação de que a Airex seria uma empresa de fachada e de que teria apresentado endereços falsos à Justiça. Segundo ele, a Airex foi constituída em 2001, com sede em Manaus. A empresa foi criada para atuar na importação de peças para motocicletas, "mas não deu certo". Acrescentou que a Airex permaneceu aberta, mas o imóvel alugado em Manaus foi entregue. Quando surgiu a oportunidade de comprar a Nilza, outro imóvel foi alugado em Manaus, mas não foi mobiliado, segundo Alambert, já que a empresa também tem escritório em São Paulo.

O empresário também é acusado de ter pago a um credor, José Eustáquio de Senna, para que este convencesse outros credores a aprovarem o plano. Alambert disse ter pago a Senna - que vendeu o laticínio Montelac à Nilza em 2008 -, por uma consultoria no projeto de aquisição da Nilza, já que não conhece o setor de leite. Admitiu, porém, ter pedido a Senna que conversasse com outros credores para que votassem pela aprovação do plano.

Na opinião da Alambert, o controlador da Nilza, Adhemar de Barros Neto, deve recorrer à Justiça contra a decretação da falência pois "todos os argumentos são frágeis".

O plano de recuperação aprovado pelos credores da Nilza previa a venda da fatia de 65% do controlador para a Airex, que assumiria o passivo estimado em R$ 420 milhões. O BNDESPar detém os 35% restantes do capital da empresa.

A tentativa de adquirir o laticínio não é a primeira investida de Alambert no agronegócio. Por meio da Airex, ele comprou, em dezembro, por R$ 200 milhões a usina Casquel, de Cambará (PR). Do total do negócio, R$ 180 milhões foram de assunção de dívidas e R$ 20 milhões em aporte de capital. Segundo Adalgiso Antônio Casquel, antigo proprietário da usina, a venda foi concluída com o cumprimento de todos os compromissos firmados. (AAR, com colaboração de Fabiana Batista)

Fonte: Valor

Publicada em quinta-feira, 27 de janeiro de 2011



Clique em alguma Notícia para saber mais:
Encadeamento Produtivo: clínica tecnológica aborda benefícios da produção do leite com qualidade
Potencial para a produção de leite atrai investidores internacionais para cidade do Oeste baiano
Preço do leite cai e preocupa pecuaristas capixabas
Agroleite inicia votação para o ‘Oscar do leite’
Empresas de laticínios investem em patrocínio
Teste de DNA com tecnologia de startup mineira garante qualidade de produtos lácteos
RS deve pedir crédito para produtor de leite afetado pela crise
Brasil promove produtos lácteos nos Emirados
Empresa de laticínios compra marca da falida Nilza por R$ 7 milhões
Laticínios Porto Alegre divulga Nota de Esclarecimento sobre a chave encontrada na muçarela
Usina de beneficiamento de leite trará vida nova a produtores
Projeto de reabertura da antiga fábrica Camila ganha força e apoio
Setor questiona novo Riispoa
Paraíba avança na produção de queijos caprinos probióticos
Jussara lança leite longa vida em garrafa PET
Promilk apresenta plano para pagamento de produtores de leite
Sebrae MS apresentará soluções para pecuária para pequenos produtores
European Milk Board pede redução obrigatória da produção de leite
Deputada e produtores comemoram a redução da taxa do leite
Conseleite prevê queda de 3,35% no preço do leite no RS em janeiro
Leites Aurora sem lactose chegam aos mercados do Sul e Sudeste
Bebidas lácteas Aurora agora também com zero % de lactose
Fonterra, da Nova Zelândia, deve reduzir pagamento a cooperados
China: crescimento das importações de lácteos mostra mudanças nas preferências
Chile: as exportações de lácteos cresceram 11% em 2014
Reino Unido: leite mais barato que água
Com chuvas, leite fica até 38% mais barato
Aurora lança bebida láctea sabor limão siciliano
Permanecem presos envolvidos na fraude do leite
Como tornar os procedimentos de food safety sólidos no chão de fábrica?



Para ver um histórico com todas as notícias, clique aqui.



















  




Em sua opinião, qual seria o melhor presidente para o agronegócio do leite?

Aécio Neves

Dilma Rousseff

Nao sei

  [ Votar ]
  [ Resultado ]

LATICINIO.NET - www.laticinio.net - laticinio@laticinio.net
Rua Dr. Ávila, 25 / 302 - Paineiras - Juiz de Fora - MG - CEP 36016-100
Telefone: (32) 9928-2478
Developed by