Justiça vê fraude e aborta plano para a reestruturação da Alimentos Nilza

O advogado e empresário Sérgio Alambert, que fez proposta para compra da Indústria de Alimentos Nilza por meio de sua empresa Airex, rebateu as acusações do juiz Héber Mendes Batista, de Ribeirão Preto (SP), que decretou a falência da Nilza. A empresa estava em recuperação judicial, e o plano de reestruturação aprovado pelos credores, em novembro passado, previa a venda da Nilza para a Airex.

Ao decretar a falência do laticínio, na terça-feira, o juiz da 4ª Vara Cível de Ribeirão Preto, alegou fraude no processo de recuperação judicial e na negociação com a Airex. Segundo o jornal "A Cidade", de Ribeirão, escutas telefônicas do Ministério Público apontaram fraude no processo.

O juiz questionou a origem dos R$ 5,2 milhões depositados pela Airex, após a aprovação do plano de recuperação, para pagamento de credores trabalhistas. Alambert disse que tem como comprovar a origem dos recursos e que vai entrar com uma petição na Justiça para fazê-lo.

A reportagem não conseguiu falar com o juiz Héber Mendes Batista, pois os fóruns paulistas fecharam ontem a partir das 13 horas em luto pela morte do presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo Antonio Carlos Viana Santos.

A advogada Sílvia de Luca, que representa o controlador da Nilza, Adhemar de Barros Neto, não quis comentar a decisão sobre a falência alegando ainda não ter tido acesso ao "inteiro teor da sentença".

Sérgio Alambert também refutou a acusação de que a Airex seria uma empresa de fachada e de que teria apresentado endereços falsos à Justiça. Segundo ele, a Airex foi constituída em 2001, com sede em Manaus. A empresa foi criada para atuar na importação de peças para motocicletas, "mas não deu certo". Acrescentou que a Airex permaneceu aberta, mas o imóvel alugado em Manaus foi entregue. Quando surgiu a oportunidade de comprar a Nilza, outro imóvel foi alugado em Manaus, mas não foi mobiliado, segundo Alambert, já que a empresa também tem escritório em São Paulo.

O empresário também é acusado de ter pago a um credor, José Eustáquio de Senna, para que este convencesse outros credores a aprovarem o plano. Alambert disse ter pago a Senna - que vendeu o laticínio Montelac à Nilza em 2008 -, por uma consultoria no projeto de aquisição da Nilza, já que não conhece o setor de leite. Admitiu, porém, ter pedido a Senna que conversasse com outros credores para que votassem pela aprovação do plano.

Na opinião da Alambert, o controlador da Nilza, Adhemar de Barros Neto, deve recorrer à Justiça contra a decretação da falência pois "todos os argumentos são frágeis".

O plano de recuperação aprovado pelos credores da Nilza previa a venda da fatia de 65% do controlador para a Airex, que assumiria o passivo estimado em R$ 420 milhões. O BNDESPar detém os 35% restantes do capital da empresa.

A tentativa de adquirir o laticínio não é a primeira investida de Alambert no agronegócio. Por meio da Airex, ele comprou, em dezembro, por R$ 200 milhões a usina Casquel, de Cambará (PR). Do total do negócio, R$ 180 milhões foram de assunção de dívidas e R$ 20 milhões em aporte de capital. Segundo Adalgiso Antônio Casquel, antigo proprietário da usina, a venda foi concluída com o cumprimento de todos os compromissos firmados. (AAR, com colaboração de Fabiana Batista)

Fonte: Valor

Publicada em quinta-feira, 27 de janeiro de 2011



Clique em alguma Notícia para saber mais:
Servidores federais são afastados por fraude em leite
PF descobre funcionários federais que encobriam fraude do leite no RS
IMA identifica a região de Alagoa como produtora de Queijo tipo Parmesão no Modo Artesanal
Alberto Pinto Coelho assina decreto para o fortalecimento da produção leiteira em MG
Importação de lácteos pelo Brasil caiu em novembro
Oferta sobe e preço do leite cai
Iogurtes gregos não passam em teste de rotulagem
Alckmin assina decreto que desonera indústria do leite
Aliança Láctea Sul Brasileira apresenta ações para melhoria da cadeia produtiva do leite
Tate & Lyle e Gemacom Tech criam uma nova Joint Venture no Brasil
MP denuncia 22 na sétima fase da Operação Leite Compen$ado no RS
Captação e aquisição de leite cresce 8,1% em comparação a trimestre passado
Com selo definitivo, queijo da Canastra agora é marca
Justiça bloqueia bens da Laticínios Mondaí e dos sócios
Setor lácteo precisa melhorar gestão
Pequenos e médios produtores discutem soluções para o leite
Expectativas para o mercado de leite
Litro do leite integral tem queda de 6,16% ao consumidor em novembro em média
Após nova fraude, produtores do RS têm dificuldades para vender leite
Rússia abriu o mercado lácteo para o Brasil; empresas estão à espera
Queijo tombado como Patrimônio Imaterial Brasileiro vira marca em MG
CE: Produtores de leite querem proteção contra concorrência
8 erros de gestão fatais para sua empresa
A ciência contra o prazer. Ou: o fim do ritual de lamber a tampinha do iogurte
MP apura empresas de SC suspeitas de envolvimento no leite adulterado
Coca-Cola deve lançar globalmente em 2015 marca própria de leite
Nestlé apresenta iogurte grego para uso culinário
BRF celebra venda da divisão de lácteos com Lactalis
Preço dos lácteos segue em queda no atacado
Preço dos lácteos segue em queda no atacado



Para ver um histórico com todas as notícias, clique aqui.



















  




Em sua opinião, qual seria o melhor presidente para o agronegócio do leite?

Aécio Neves

Dilma Rousseff

Nao sei

  [ Votar ]
  [ Resultado ]

LATICINIO.NET - www.laticinio.net - laticinio@laticinio.net
Rua Dr. Ávila, 25 / 302 - Paineiras - Juiz de Fora - MG - CEP 36016-100
Telefone: (32) 9928-2478
Developed by