Justiça vê fraude e aborta plano para a reestruturação da Alimentos Nilza

O advogado e empresário Sérgio Alambert, que fez proposta para compra da Indústria de Alimentos Nilza por meio de sua empresa Airex, rebateu as acusações do juiz Héber Mendes Batista, de Ribeirão Preto (SP), que decretou a falência da Nilza. A empresa estava em recuperação judicial, e o plano de reestruturação aprovado pelos credores, em novembro passado, previa a venda da Nilza para a Airex.

Ao decretar a falência do laticínio, na terça-feira, o juiz da 4ª Vara Cível de Ribeirão Preto, alegou fraude no processo de recuperação judicial e na negociação com a Airex. Segundo o jornal "A Cidade", de Ribeirão, escutas telefônicas do Ministério Público apontaram fraude no processo.

O juiz questionou a origem dos R$ 5,2 milhões depositados pela Airex, após a aprovação do plano de recuperação, para pagamento de credores trabalhistas. Alambert disse que tem como comprovar a origem dos recursos e que vai entrar com uma petição na Justiça para fazê-lo.

A reportagem não conseguiu falar com o juiz Héber Mendes Batista, pois os fóruns paulistas fecharam ontem a partir das 13 horas em luto pela morte do presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo Antonio Carlos Viana Santos.

A advogada Sílvia de Luca, que representa o controlador da Nilza, Adhemar de Barros Neto, não quis comentar a decisão sobre a falência alegando ainda não ter tido acesso ao "inteiro teor da sentença".

Sérgio Alambert também refutou a acusação de que a Airex seria uma empresa de fachada e de que teria apresentado endereços falsos à Justiça. Segundo ele, a Airex foi constituída em 2001, com sede em Manaus. A empresa foi criada para atuar na importação de peças para motocicletas, "mas não deu certo". Acrescentou que a Airex permaneceu aberta, mas o imóvel alugado em Manaus foi entregue. Quando surgiu a oportunidade de comprar a Nilza, outro imóvel foi alugado em Manaus, mas não foi mobiliado, segundo Alambert, já que a empresa também tem escritório em São Paulo.

O empresário também é acusado de ter pago a um credor, José Eustáquio de Senna, para que este convencesse outros credores a aprovarem o plano. Alambert disse ter pago a Senna - que vendeu o laticínio Montelac à Nilza em 2008 -, por uma consultoria no projeto de aquisição da Nilza, já que não conhece o setor de leite. Admitiu, porém, ter pedido a Senna que conversasse com outros credores para que votassem pela aprovação do plano.

Na opinião da Alambert, o controlador da Nilza, Adhemar de Barros Neto, deve recorrer à Justiça contra a decretação da falência pois "todos os argumentos são frágeis".

O plano de recuperação aprovado pelos credores da Nilza previa a venda da fatia de 65% do controlador para a Airex, que assumiria o passivo estimado em R$ 420 milhões. O BNDESPar detém os 35% restantes do capital da empresa.

A tentativa de adquirir o laticínio não é a primeira investida de Alambert no agronegócio. Por meio da Airex, ele comprou, em dezembro, por R$ 200 milhões a usina Casquel, de Cambará (PR). Do total do negócio, R$ 180 milhões foram de assunção de dívidas e R$ 20 milhões em aporte de capital. Segundo Adalgiso Antônio Casquel, antigo proprietário da usina, a venda foi concluída com o cumprimento de todos os compromissos firmados. (AAR, com colaboração de Fabiana Batista)

Fonte: Valor

Publicada em quinta-feira, 27 de janeiro de 2011



Clique em alguma Notícia para saber mais:
Pesquisa contraria estudos que mostram que o leite tem papel importante na prevenção da osteoporose
Leite batizado
Ilustração de embalagem de leite em formato fálico cria polêmica na Irlanda
Gaeco não descarta novas prisões pela Operação Leite Adulterado no Oeste de Santa Catarina
Produção e consumo de queijos em alta
Pecuaristas no prejuízo
Mercado quente para o leite
Itambé lança linha de produtos sem lactose durante a Superminas 2014
Presidente da Aurora defende eliminação do mercado de empresas que adulteraram leite
Cade aprova venda da marca Ibituruna, da LBR, para cooperativa mineira
Promotor orienta consumidor a trocar leite de empresa sob suspeita de adulteração ou procurar o Procon
Leite adulterado no Sul do Brasil ainda é vendido em SP e no PR
Cooperativa Languiru credenciada a utilizar selo da agricultura familiar
No México, 15% da água usada pela Nestlé é extraída do leite
Com denúncias de fraudes em laticínios no Oeste, varejo registra queda nas vendas de leite
Leite: o exemplo das cooperativas
MPSC divulga nomes de 11 empresas envolvidas em adulteração do leite
Oferta maior e demanda lenta reduzem preço do leite
Casos de adulteração de laticínios voltam à tona
Tirolez investirá R$ 100 milhões até 2017 para ampliar produção
Queijo: Chineses estão desenvolvendo gosto por pizza
Aquisição de leite pela indústria cresce 8,4% no 2º trimestre de 2014 em relação ao mesmo período de 2013
Operação contra adulteração de leite prende 16 suspeitos em SC e no RS
Alimentos para bebês ajudam vendas da Danone no 3° trimestre
Argélia mais que dobra importação de leite
Danone decide mirar Mead Johnson como alvo de aquisição, dizem fontes
FAEMG reativa Comissão de Caprinos e Ovinos
Produção de leite de SC dobra em uma década
Associações de produtores de leite do interior recebem visitas da CPLA
Mesmo na entressafra, leite longa vida tem queda no atacado



Para ver um histórico com todas as notícias, clique aqui.



















  




Em sua opinião, qual seria o melhor presidente para o agronegócio do leite?

Aécio Neves

Dilma Rousseff

Nao sei

  [ Votar ]
  [ Resultado ]

LATICINIO.NET - www.laticinio.net - laticinio@laticinio.net
Rua Dr. Ávila, 25 / 302 - Paineiras - Juiz de Fora - MG - CEP 36016-100
Telefone: (32) 9928-2478
Developed by